domingo, 3 de julho de 2011

Inglaterra : Londres : Wireless Festival Parte II

Se você perdeu o post sobre o show do Black Eyed Peas, clique AQUI.

Imagina a multidão? Agora imagina essa mesma multidão indo embora no mesmo momento?

Por conta disso, resolvi não pegar o metrô mais próximo, achei melhor caminhar até a outra estação. Meus pés quase não respondiam por mim, eu estava realmente morto com farofa. Não via a hora de chegar no Hostel Hyde Park Inn, tomar um bom banho e dormir.

hyde park inn

Como eu vim para Londres para fazer um curso intensivo de Inglês por 2 semanas, resolvi ficar hospedado em uma casa de família. Achei interessante a ideia, naturalmente eu iria praticar mais, além de conhecer o dia a dia de uma família londrina. Mas como eu só poderia chegar na casa no domingo e eu vim 2 dias antes do previsto, escolhi o albergue mais barato que fosse próximo ao evento. Reservei uma cama em um quarto para 5 pessoas.

Quando eu entrei no quarto (que por sinal parecia o quarto dos sete anões, tudo em miniatura!), vi que já tinha gente dormindo. Demorei meia hora para separar minhas coisas para tomar banho, já que não quis acender a luz nem fazer muito barulho.

quarto hyde park inn

Destranca o cadeado da bolsa, pega a roupa. Tranca o cadeado. Esquece a chave do quarto dentro da bermuda que você acabou de colocar na bolsa. Destranca o cadeado, pega a chave. Esquece a toalha dentro da bolsa. Destranca o cadeado, pega a tolha. Esquece o chinelo dentro da bolsa. Desiste e vai descalço.

Comecei a me arrepender de ter decidido economizar nesses 2 dias e não pegar um quarto individual. Mas tudo bem.

Levei minhas coisas pro banheiro coletivo e, aí sim, me arrependi de vez. O banheiro estava imundo, e eu descalço. Tive que tomar banho na ponta do pé. Se a Ana Botafogo me visse ia me chamar pra ser bailarino do Municipal! Sério.

Sem contar que dentro do banheiro não tinha nada para apoiar a roupa. Ou seja: tive que colocar no chão, em cima do tênis. Mas, além disso, não existia qualquer divisão entre o boxe e a parte onde estava a roupa. Conclusão: molhou tudo, óbvio.

Minha vontade naquela hora era pegar minhas coisas e procurar o primeiro hotel que eu visse na minha frente, mas lembrei que a última vez eu me dei mal nessa. Contei até 3 e voltei pro quarto pra deitar, afinal já eram mais de meia-noite e no dia seguinte eu deveria levantar as 7 para um passeio que havia programado.

Pronto pra dormir, lembro de colocar o despertador do celular pra tocar. Putz, 20% de bateria. Vou ter que carregar. Abro o cadeado da bolsa, pego o carregador. Tranca o cadeado. Olha para a tomada do quarto e vê que é diferente da sua. Desce os 4 lances de escada até a recepção e pede um adaptador.

-4 Pounds, sir.

NÃO! Esqueci que em Hostel é tudo com pré-pagamento!

-Quebra essa, vai?

-No, sir.

Sobe os 4 lances de escada, destranca o cadeado, pega o dinheiro, tranca o cadeado, desce os 4 lances de escada, compra o adaptador, sobre os 4 lances de escada pra finalmente carregar o celular e desmaiar.

Meia hora depois, no momento em que eu estou quase entrando em sono profundo, entram duas gringas no quarto. Tudo o que eu evitei elas fizeram questão de fazer: acenderam a luz e fizeram barulho como se fosse meio-dia.

Relaxa, Rodrigo, você que quis assim.

Boa noite.

[Continua]

2 comentários:

  1. esse de depois continua é foda.....to mó empolgada lendo....e tcharannnnnnnn...cenas de um próximo capitulo!!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Primeiro: Vc só pode ser Rodrigo Flamengo, jamais botafogo!!
    Segundo: como se diz "Quebra essa, vai?" em inglês??? kkkkk

    Boa amigo!!

    Fabi

    ResponderExcluir

Digo a Bordo!

"Ao retornar de uma viagem, não sei se o mundo diminuiu ou eu é que cresci."

Quer sugerir um destino? Tirar Dúvidas? Ou somente elogiar mesmo?
Escreva para rodrigofranco@digoabordo.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...