quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Espanha : La Coruña : E o Frango continua a saltar!

Sinceramente esse foi o subemprego que qualquer um pediu a Deus. Um excelente salário, diversão durante o trabalho, guloseimas a vontade, novos amigos… e o melhor: passei a entender e falar melhor o Espanhol. Vai se comunicar com uma criança de 2 anos, em espanhol!! Treinei meu ouvido, cara!

DSC03554 DSC03557 DSC03558 DSC03562

Eu, amigas e as Guloseimas, mais conhecidas em Espanha como Las Chuches!

Não satisfeito, ainda tem mais: acabei viajando por alguns lugares da Espanha por conta da Casa de Festas. Não só da Espanha, fui até algumas cidades de Portugal. E o melhor: ganhando por isso!

DSC02763 DSC02781 

Em La Guardia, fronteira com Portugal, a “trabalho”!

Nas festas que fiz, algumas crianças marcaram! Teve uma menininha, a Rocío, que acabou se apaixonado por mim. Ela tinha uns 8 anos e quase toda semana ia em uma festa comigo. No dia que eu falei pra ela que eu ia embora pro Brasil, ela chorou, foi no jardim e trouxe uma florzinha pra mim. Acreditam?

A última festa que eu fiz foi do Dani, um mulequinho gente boa que de tanto ir nas festinhas já me chamava pelo nome! Saudades daquelas crianças…

DSC03556A última festa! Olha a cara de danado do Dani!

-Tá, mas tem que ter a parte ruim!

Sim, óbvio que como qualquer trabalho, tinha a parte ruim: aturar as crianças desobedientes,  fazer papel de babaca quando dançava a dancinha do Frango, balançando a busanfa pra lá e pra cá, levar as crianças ao banheiro para fazer “popô”, limpar o nariz das catarrentas, calçar e descalçar o sapato das chulezentas… E quando as crianças eram um pouco mais velhas, elas ainda me davam esporro:

-Não é assim que fala, tio. Hummmm, não sabe nada. Aiiii, que burro. De onde você é?

No início eu ficava puto e confesso que as vezes aprontava alguma maldade com as criancinhas. Descontava a raiva empurrando elas no pula-pula, pois eu sabia que não ia doer tanto! Mas depois acabei me aproveitando da situação de “falar estranho”. Uma das brincadeiras que eu fazia com a mulecada era para descobrirem de onde eu era! Elas se amarravam! Tinham umas crianças sem noção que diziam: China! Porra, ai não né!

Depois de descobrirem que eu era do Brasil, fazia a segunda brincadeira: eu falava uma palavra em português e elas tinham que descobrir o que era! Eram sempre as mesmas brincadeiras. E o pior: eram quase sempre as mesmas crianças! Teve um dia que uma delas disse:

-Tio, você já fez essa brincadeira comigo!

Tive que jogar ela no pula-pula.

DSC03549

Depois de tudo isso, alguém ainda tem coragem de dizer que eu tirei férias por 6 meses na Europa?

[Fim]

Espanha : La Coruña : Mas que vida boa!

Capítulo I – Mas que vida boa?!

Capítulo II – Cadelinha de Madame!

Capítulo III – O Frango Saltitante!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Digo a Bordo!

"Ao retornar de uma viagem, não sei se o mundo diminuiu ou eu é que cresci."

Quer sugerir um destino? Tirar Dúvidas? Ou somente elogiar mesmo?
Escreva para rodrigofranco@digoabordo.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...