quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Argentina : Bariloche!

As aventuras de Buenos Aires eram só um ensaio para as que viriam em Bariloche.

Dia 5 de Setembro de 2010
Nosso vôo era pela Aerolineas Argentinas, saindo do Aeroparque (aeroporto que fica dentro da cidade de Buenos Aires). Para variar o vôo atrasou e chegamos em Bariloche mais tarde do que o previsto. Ainda bem que o carinha do transfer ficou esperando a gente. Chegamos no Hotel Premier (bem localizado, limpo e econômico) e o coordenador da agência com quem fechei os passeios estava lá para nos dar as coordenadas (Agência Finisterrae). Nossa primeira aventura seria naquele mesmo dia. Eram 7:30 PM e a van nos pegava as 8 PM. Mas nesse meio tempo tínhamos que ir até a loja de aluguel de roupa de neve para pegarmos as nossas, que já estavam pagas. Fomos correndo que nem uns loucos e quando entramos na loja tinha uma família baiana alugando também. Caraca, se eles são lentos para falar, imagine para escolher roupa de neve (desculpa aí se você é baiano, mas que é verdade é!). Finalmente conseguimos pegar as nossas e voamos pro hotel.

Cena por la noche en 4x4
Esse passeio é simplesmente IRADO! A parada é a seguinte: 4x4 / quadriciclo / Jantar, tudo isso no meio da montanha.
Fomos de 4x4 até o Cerro Catedral, a principal montanha de Bariloche. O motorista se embrenha pelo meio da mata cheia de neve, se enfiando em várias crateras e fazendo várias manobras radicais!

DSC_0538

Depois disso a gente sai do 4x4 e sobe em quadricíclos, guiados por NÓS, e se embrenha mais ainda no meio da neve! Eu, desavisado, me fudi. Por precaução aproveitamos as roupas de neve e colocamos a bota e a calça impermeável. Mas a parte de cima julgamos que não fosse necessário usar. Então fui com meu casaco da Lacoste que tinha acabado de comprar em Bariloche. Paguei a bagatela de 800 pesos (mais ou menos 400 reais). Ele simplesmente ficou todo ENLAMAÇADO. O idiota do HC toda hora atolava e na hora de tentar desatolar era aquele lamaçal de barro e neve tudo misturado. O nosso instrutor disse que como aquilo era areia, quando secasse era só bater com a mão que saía. Obviamente eu não acreditei, mas depois liguei o foda-se e relaxei. É como a OMO diz: se sujar faz bem!

DSC_0544

O que seria a parte mais interessante se tornou o pedra no sapato de um dos nossos amigos. É notório que dos 4, só eu sabia dirigir bem. Mas o Zé, meu Deus... Até que ele teve a ombridade de assumir e dizer: “só quero dirigir um pouquinho, na reta!” Dito e feito, o cara conseguiu na reta (veja bem: NA RETA) praticamente capotar e cair ribanceira abaixo.

"Zé, você tá bem?”

Silêncio.
Depois de uns 10 minutos ele conseguiu falar: meu pulso tá doendo!

Zé, eu não vou perder o passeio por sua causa. Zé, se você quiser a gente aborta a missão e vai pro Hospital.”

Ele então disse que aguentava a dor. E fomos tentar terminar a noite no restaurante.

DSC_0584

Não demoramos muito e o Zé continuou reclamando das dores. De lá partimos pro Hospital. Segundo o plantonista, ele tinha fraturado uma das articulações da mão e era caso cirúrgico. Não confiamos no diagnóstico do cara e resolvemos que por aquela noite bastava.

 DSC_0587

Depois de quase 3 horas e algumas centenas de pesos a menos na carteira do mau condutor, era hora de voltar pro hotel. Mortos.

Dia 06 de Setembro de 2010
Ski no Cerro Catedral
Acordamos e convencemos o Zé de nos acompanhar. Era o dia mais esperado da viagem, o dia de esquiar! Chegamos na base do Cerro Catedral (o mesmo que quis arruinar nossa viagem na noite anterior) e fomos para a loja pegar nosso equipamento de esqui. Nesse momento, o Zé, cheio de lágrimas nos olhos, decide ir embora. Parecia aquelas crianças quando você destrói o castelinho de areia delas. Não sei se ele estava com os olhos marejados de dor ou de tristeza.

DSC_0659

No pacote fechamos a aula de esqui em grupo por duas horas. Na primeira meia hora já estava doido para tirar aquele par de patins dos pés. Até que não achei muito difícil, mas é bem cansativo. É aquele negócio: descer é mole, quero ver subir. Depois de alguns tombinhos básicos, no final da aula eu estava quase uma Lu Patinadora.

Buenos 708

Depois da aula devolvemos o equipamento de esqui e subimos até o topo do Cerro Catedral para admirar a vista. Realmente a paisagem é impressionante.

Panoramica_desde_catedral
DSC_0012 DSC_0016

Ainda aproveitamos uma parede de neve que se formou e logo transformamos aquilo em uma pista de skibunda. Logo juntou uma cabeçada (só de brasileiros!). Mas não demorou muito o guardinha veio e proibiu.
Mas e o Zé? Onde estaria ele naquele momento?
Voltamos pro hotel e encontramos Zé, com seu braço engessado. Ele resolveu ir a um outro hospital, desta vez especializado.
Tadinho. Tadinho é uma ova, quem mandou?
A noite fomos jantar num restaurante italiano chamado La Trattoria de la Famiglia Bianchi. Comemos bem a beça. Com direito a Ceasar’s Salad, fondue de queijo, prato de macarrão aos 4 queijos e vinho! Gastamos 50 reais por cabeça! (nesse momento eu faria uma piada com os dois cabeçudos do grupo, mas vou poupa-los dessa xacota).

Dia 07 de Setembro de 2010
Com a forte chuva da semana anterior, os rios da cidade tiveram seus volumes de água absurdamente elevados, o que fez com que o Governo proibisse passeios por lá. Tivemos então que cancelar o tão esperado Rafting no Río Manso, passeio de um dia inteiro com direito a almoço e tudo. Infelizmente tivemos que abortar o plano de afogar o Zé lá. Trocamos então por 2 passeios:

Canopy
Desta vez o passeio é no Cerro López. Chegamos a base da empresa que presta os serviços e lá o instrutor dás as instruções (óooooh), que não demoram mais que 5 minutos, coloca os aparatos de segurança e pronto. Você está apto a voar pelo bosque!

DSC_0232

Subimos em 4x4 até a primeira plataforma e fazemos a primeira descida. No total são 10 plataformas. Umas até emocionantes, outras mais para apreciar a bela vista.

DSC_0259

Em todas elas o Zé se cagava de medo. Mas pra quem estava com o braço engessado até que ele foi bem!

DSC_0269

Mas acho que o mais emocionante mesmo é no final, pra subir de volta para pegar a 4x4. Uma subidinha bem íngrime, com lama e sem equipamento de segurança! hehe!

Mais informações:http://www.canopybariloche.com/

Piedras Blancas - Skibunda

A tarde fizemos o passeio que a princípio pensei que fosse o mais bobo, mas no final das contas foi onde mais nos divertimos. Vamos de van até o alto do Cerro Otto, com seus 1405 metros de altitude, onde alugamos um “trineo” e temos direitos a 6 subidas para “skibundiar" pelas 4 pistas na neve.

DSC_0454

Foi divertido porque foi o único passeio onde podíamos competir entre si. E pra completar, lá no Canopy, conhecemos uma carioca gente finíssima que também estava com a gente. Em praticamente todas as descidas eu chegava em último. E em quase todas o HC ganhava. Cheguei a uma conclusão lógica: analisando a aerodinâmica do “trineo” e cruzando os dados com o traçado da pista, a velocidade média do ocupante do veículo é proporcional a sua massa, influenciada diretamente pela força da gravidade. Simplificando: os mais gordinhos atingem maiores velocidades.

FOTO CD-PISTA 1Y4-012 FOTO CD-PISTA 1Y4-087


Mais informações: http://www.piedrasblancasbariloche.com/

Dia 08 de Setembro de 2010
Nosso último dia em Bariloche. Para este dia tínhamos reservado um passeio calmo, sem adrenalina: Circuito Chico.
Nada mais é que um “city-tour” por alguns pontos de Bariloche. Vale a pena para conhecer.
Cerro Campanário – Montanha (mais uma) com uma vista impressionante para quase todos as ilhas, montanhas e lagos de Bariloche. Os lagos mais conhecidos são o Nahuel Huapi (que margeia o centro da cidade) e o Moreno.

DSC_0624 DSC_0692

Fábrica Rosa Mosqueta – Uma fábrica artesanal de produtos à base de Rosa Mosqueta. Prometem curar de mau-hálito a câncer. Quase um bombril, 1001 utilidades.

Miradouro Lago Moreno – Mais uma bela vista do lago Moreno.

Capela São Eduardo – Uma capela bem rústica, feita de madeira, na década de 40. Projeto do pintor arquiteto Alejandro Bustillo.
DSC_0774

Hotel Llao Llao - Hotel mais famoso e CARO de Bariloche. Foi lá que aconteceu o encontro da Cúpula da Unasul, no ano passado, onde os presidentes da América do Sul brigaram ao vivo e a cores por conta de bases militares americanas na Colômbia.

Depois voltamos para a cidade, onde fomos ao Centro Cívico tirar algumas fotos e, de volta ao hotel, esperamos o tempo passar…

DSC_0787 DSC_0796 DSC_0802 DSC_0803

Até a próxima, que já tem hora e local marcados: Reveillon no Chile, com direito a Santiago, Valparaíso, Viña del Mar, Deserto do Atacama e muitas aventuras!
Ah, lembra da carioca que conhecemos no Canopy? Ela também se juntou ao bonde que vai pro Chile! Uma amiga de um dia que vai ser a primeira a me desejar FELIZ ANO NOVO! Não é maneiro?

sábado, 25 de setembro de 2010

Argentina : Buenos Aires : Zoo de Lujan e Parque de la Costa!

No final das contas ninguém se mijou e o HC consegui entrar na Argentina.

Uma vez é pouco, duas é bom e três é Demais!

Ham!?

É, foi a terceira vez que estive em Buenos Aires. O legal é que eu já conhecia as ruas, já sabia chegar nos lugares, já sabia onde comer bem e barato…

Por sorte meus companheiros de viagem não estavam a fim de “turistar”. Eles queria fazer coisas diferentes. E eu me dei bem, pois tive a chance de fazer passeios que ainda não tinha feito por lá. E realmente valeram muito a pena. Vamos a eles:

Zoo de Lujan – Esse zoológico fica na cidade de Lujan, a uns 40 minutos do centro de Buenos Aires. Mais parece uma fazenda. Os animais de lá são domesticados e você pode entrar nas jaulas para tirar fotos e fazer carinho neles. Muito maneiro! Só te aconselho a levar um gel antiséptico pq depois suas mãos vão ficar com cheiro de “cachorro molhado”.

DSC_0263  DSC_0514

DSC_0544 DSC_0572

Como aqui em Angola “mulher bonita” é que nem diamante, que você até sabe que existe, mas você nunca vê e quando vê tá pendurada no pescoço de alguma outra pessoa, eu acabei tendo um affair com a ursa do zoológico. Depois trocamos facebook.

DSC_0463

Dicas:

Tem como você chegar ao zoo de ônibus comuns, mas realmente não vale a pena. Você demora quase 2 horas pq o ônibus vai parando nos pontos. Vale mesmo a pena você contratar um serviço de transfer com a FABEBUS. Tem vários horários de saída. É só ligar um pouco antes e reservar. Depois pra voltar é a mesma coisa. Lá mesmo do zoológico conseguimos ligar para reservar a volta.

Transfer Buenos Aires x Zoo de Lujan – Fabebus, 36 pesos ida e volta (http://www.fabebus.com.ar).

Zoo de Lujan – 40 pesos. (www.zoolujan.com)

Parque de La Costa – É um parque de diversões que fica em outra cidade próxima a Buenos Aires: Tigre. Tem brinquedos bem radicais, suficientes para te deixar enjoado pelo dia inteiro (leia-se Stargate, o brinquedo do demônio!).

DSC_0024

Quem gosta não vai se arrepender. Tem montanha russa invertida e montanha russa ida e volta (meu Deus, não sei mais onde coloco e onde não coloco hífen!)

Ainda demos uma puta sorte, pois pegamos uma promoção que incluía todos os brinquedos do parque, até o VERTIGO, que é a principal atração. É tipo um bungee jumping. Depois da queda você fica que nem um pêndulo, indo de um lado ao outro. IRADO! Mas melhor ainda foi ver HC e Zé quase se mijando de medo!

DSC_0182 DSC_0096

Eu confesso que tenho muito mais medo de rato do que de brinquedos de aventura. Na minha infância eu até tinha medo, mas quando fui a Disney com meus 11 anos simplesmente fiquei tão fascinado por aquilo que perdi completamente o medo. Na época minha irmã, com 14 anos, era tão medrosa que nem em montanha-russa sem nenhum looping ela foi. E pior: não queria me deixar ir nos brinquedos mais radicas! Fala sério! Eu fui em TODAS!

No final do dia ainda fomos em um Laser Shots, que também estava incluído. Éramos 4 brasileiros contra 5 argentinos. Ganhamos e, obviamente, eu sozinho fiz 50% dos pontos do meu time. A galera ainda ficou me zoando, falando que eu já fui traficante do Alemão e tava acostumado a “guerrear” com a polícia. O segundo lugar, que acho que foi o HC, ficou com uns 24% dos pontos (24??? hummmm).

DSC_0218

Dicas: Para chegar você tem duas maneiras. A primeira e mais clássica é pegar o tren de la costa, que é um trem “turístico” que vai margeando o Rio de La Plata. Quando eu digo “clássica” fica subentendido MAIS CARA e MAIS DEMORADA. Optamos então pela alternativa, que é pegar um trem na estação de Retiro para Tigre. É só soltar na última estação e caminhar um pouco. O bilhete custou 1,7pesos e a viagem demorou uns 50 minutos. Se tivéssemos ido pelo tren de la costa, gastaríamos uns 10 pesos. Ok, nada de absurdo, mas não tínhamos muito tempo a perder.

http://www.parquedelacosta.com.ar/ – Pasaporte FULL – Pagamos 35 pesos! Menos de 20 reais. No Brasil com 20 reais você quase nem anda naquelas rodas gigantes de parque de interior.

 

Bom, fora isso, fomos aos lugares mais clássicos: Casa Rosada, Caminito, Boca… Mas se quiser mais detalhes destes passeios vá no blog do HC que ele descreveu tudo por lá!

 

Até Bariloche!

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

YES, WE CAN!

 

1270549132_94

Conta certa lenda, que estavam duas crianças patinando num lago congelado. Era uma tarde nublada e fria, e as crianças brincavam despreocupadas. De repente, o gelo se quebrou e uma delas caiu, ficando presa na fenda que se formou. A outra, vendo seu amigo preso e se congelando, tirou um dos patins e começou a golpear o gelo com todas as suas forças, conseguindo por fim, quebrá-lo e libertar o amigo.


Quando os bombeiros chegaram, e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:

– Como você conseguiu fazer isso? É impossível que tenha conseguido quebrar o gelo, sendo tão pequeno e com mãos tão frágeis!

Nesse instante, um ancião que passava pelo local comentou:
– Eu sei como ele conseguiu.

Todos perguntaram:
– Pode nos dizer como?

Respondeu o idoso...
– É simples, não havia ninguém ao seu redor para lhe dizer que não seria capaz.

“No meio de toda dificuldade existe sempre uma oportunidade”. - Albert Einstein

 

Reflita sobre o texto e a citação de Albert Einstein acima e seja MAIS VOCÊ!!

sábado, 18 de setembro de 2010

Argentina : Buenos Aires e Bariloche

Depois de quase 6 meses em Angola, passar por todos os perrengues relatados aqui e mais um pouco, eu merecia umas férias, não merecia?
Tenho inúmeros destinos em mente ainda a conhecer, mas enquanto meu visto de trabalho não sai, toda vez que vou ao Brasil tenho que deixar meu passaporte com as pessoas que tratam do novo visto para voltar a Angola. Dai não me resta outra coisa a não ser viajar pelo Mercosul.

O destino então seria a Argentina. Já fui a Buenos Aires duas vezes, então consegui encaixar uma ida a Bariloche.

Fechamos um grupo de 4 amigos, incluindo eu e meu brod HC. Fiquei responsável por planejar a viagem, pra variar.
Viajar comigo as vezes pode se tornar meio previsível, pois planejo tanto que os passos são meio que previamente estabelecidos. Ainda mais em viagens curtas, não tem como você fazer loucuras que nem eu fiz quando viajei pela Europa. Se liga na maluquice:

Miniflashback
Fiz um mochilão de 40 e poucos dias pela Europa. Fui comprando as passagens e reservando os albergues, mas fiquei com um buraco no meio da viagem. Eu tinha que sair de Zagreb, capital da Croácia, e chegar em Florença, na Itália. Achei que ia ser mole conseguir ou avião ou ônibus para fazer esse trajeto. Comecei a viagem e deixei isso para mais tarde. Até que em certa altura descobri que NÃO TINHA COMO FAZER ESSE TRECHO. Putz, fudeu.
Só sei que depois de pensar, pensar, me crucificar e até rir da besteira que eu fiz, tive que ir de Zagreb para Slubjana Llubiliana Liubliana.   
Liubliana? Onde é isso? 
É, ISSO é a capital da Eslovênia. Mas no final das contas foi muito bom. Conheci mais um país e, por mais que possa parecer estranho, Liubliana é muito legal. É uma cidade minúscula, parece mais uma vila. Mas tem um charme que só conhecendo mesmo. Lá comi um sorvete muito bom.




Talvez por ter passado por tantos perrengues pela Europa, que pretendo aos poucos ir contando aqui, é que tomei gosto pelo planejamento. Confesso que realmente os perrengues geram histórias fantásticas, mas sempre acabam mexendo no teu bolso, já que sem dúvida você vai ter que gastar a mais pelas falhas!


Voltando:
Mas e quem disse que viagens super planejadas não passam por perrengues? Pois é, já na véspera passamos pelo primeiro. Pela pesquisa que fiz, você pode entrar na Argentina com seu RG, porém o mesmo deve estar em bom estado de conservação e ter menos de 10 anos de emissão. Uns 2 meses antes da viagem mandei email pra galera falando sobre isso. Obviamente que dos 3 que receberam alguém não ia dar a mínima. Esse alguém foi logo o HC.
Na véspera de embarcar comentei com ele sobre isso e ele manda: "pera aí, o meu já tem mais de 10 anos".
Subiu aquele desespero na hora. Tanto nele quanto em mim.
Eu já tinha lido relatos de muita gente barrada na imigração argentina. Eu mesmo já tive problemas por lá, e realmente eles não são muito simpáticos. Mas me diz, qual imigração é simpática? É o trabalho deles né. Quer bom humor compra um palhaço.
Enfim, fomos pesquisar a fundo essa história da identidade e tanto no site do Mercosul, quanto no site das empresas aéreas que voam para lá, somente fala sobre o bom estado de conversação. Quanto a validade do RG o texto não é muito claro, mas não cita nada de 10 anos de validade. Mas se você for em qualquer fórum de viagens pra Argentina, tanto no Orkut quanto no Mochileiros.com, esse tema é recorrente e muita gente diz ter tido problemas com a tal validade. Imprimi na íntegra o site do Mercosul e coloquei na pastinha. Agora era rezar.

No dia seguinte estou lá eu no aeroporto com minha pastinha. Eu parecia até um guia da CVC.
E meus companheiros de viagem pareciam mais aquelas crianças que ganham de aniversário de 15 anos sua primeira viagem pra Disney. Eles simplesmente não sabiam de nada. As mães perguntavam: filho, que horas é seu voo de ida? Ih, mãe, não sei. Tenho que perguntar pro Frango (é, essa galera que viajou comigo faz parte do grupo que acha q eu tenho cara de granja). Até na hora de ir no banheiro eles me pediam. Tio Frango, posso mijar? Agora não, espera fazer o check-in.


Será que HC vai conseguir entrar na Argentina? Será que alguém vai se mijar na fila do Check-in?
  

Esperem até a próxima postagem.



Digo a Bordo!

"Ao retornar de uma viagem, não sei se o mundo diminuiu ou eu é que cresci."

Quer sugerir um destino? Tirar Dúvidas? Ou somente elogiar mesmo?
Escreva para rodrigofranco@digoabordo.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...